E as mães foram conhecer as parteiras…

Olá, meninas…

Tudo bem com vocês? Aqui tudo se adaptando a nova cachorrinha, ela ainda faz uns xixis fora do lugar e pega umas roupas que deixamos dando sopa, mas no geral ela é uma lady mesmo. Estamos adorando ter um rabo balançante em casa =D

No início do mês levamos as nossas mães para conhecer as parteiras, como eu já falei pra vocês, optamos pelo parto domiciliar assistido. Contratamos uma equipe que consiste em uma Obstetriz, uma Enfermeira Obstétrica e uma Doula (que é a fisioterapeuta que me dá aulas de Pilates).

Da família só contamos as mães que o parto será em casa, o restante da família acha que será normal, mas em hospital.

Explicamos a ambas qual é o procedimento do PD, como fica em caso de emergência, quem acompanhará o TP e tentamos tirar todas as dúvidas delas, mas achamos que seria legal elas conhecerem a equipe pra ficarem realmente tranquilas e tirar todas as dúvidas.

E lá fomos nós 4 conversar com elas e ambas foram muito legais em nos receber e tirar TODAS as dúvidas das mamães, inclusive tiraram umas nossas também *ahuahauahuahauh*

Explicaram como é o TP, como o marido pode ajudar, no que se resume o trabalho delas, quais “intervenções” elas fazem no bb pós nascimento, as diferenças entre o parto Hospitalar e o Domiciliar e quais as intercorrências que nos levariam para uma remoção.

Essa semana (antes do marido voltar a trampar) fomos dar uma olhada na maternidade, afinal o plano B tem que estar ok caso seja necessário…. A maternidade em si é legal, um quarto bom, com frigobar, armário, TV a cabo e wi fii. A enfermeira foi explicando onde era a sala de parto e o berçário (tinha um bb abandonado no bercinho aquecido só de fraldas, luva e meias, quietinho tentando colocar a mão na boca. Até onde eu sei esse bb (que tinha pouco mais de 1 hora de nascido) deveria estar enroladinho, não? ), que o bebê ficava lá até a mãe ter alta, o que girava em torno de 3 horas pq a anestesia demora um pouco pra passar e o pai pode acompanhar tudo pelo vidro ( :0 ), falou que quarto o horário de visita é das 9h00 às 21h00 e o pai pode dormir no quarto.

Perguntei do procedimento pra PN, aí ela: Ah, você vai tentar normal? (Eu contanto até 10….), respondi que sim. Ela disse que nesse caso o bb é avaliado pelo pediatra e a mãe tendo alta pra ir pro quarto o bb vai junto. Meu marido perguntou se poderia assistir ao parto sem problemas e ela disse que sim, é lei e completou: Como você vai tentar (grrrrrrr) PN, vcs ficam no quarto, qdo vc for pro pré parto ele não pode ir por ter mais mulheres na sala e na hora que tiver pra nascer a gente chama o pai.

Fingimos estar satisfeitos e fomos embora, plano B – Check

Eu e marido viemos conversando no caminho de volta que só iremos mesmo pro hospital em último caso, tipo uma das parteiras falar que não vai rolar mesmo esperar pra ter em casa. Espero ter força o suficiente pra não pedir analgesia (que só é dada no hospital) e conseguir meu PD sem nenhuma intervenção.

E assim foi a última semana de férias do marido… Pelo menos agora tenho a cachorrinha pra ficar comigo *hauahuahauahuahauhauahuahu*

Beijocas

A viagem a Porto Alegre e a chegada da Adele!

Olá, meninas!!!

Como vocês estão?

Nós aqui estamos ótimos, Pedrão crescendo visivelmente (a barriga parece que cresce todos os dias), marido de férias e uma nova integrante na família, nossa cocker inglesa Adele.

Antes, um relato sobre a viagem sonho a Porto Alegre no final de Agosto.

Como já falei aqui 200 vezes, nós temos muitos amigos gaúchos e juntamos quase todos esse fim de semana.

Aproveitamos as milhas que mamys tinha no cartão e fomos, os 3 rumo as terras gaúchas, levar a barriga pra conhecer uma terra que eu adoro, recheada de pessoas que eu amo muito.

Viajar grávida foi tranquilo, mas senti o “peso” de ter um serzinho dentro de mim nas caminhadas… Sempre que vamos pra lá caminhamos muito, ficamos num Hotel no centro justamente pra isso. Sempre tirei de letra os dias cheios e as noites de pouco sono (a gente sempre se junta num quarto pra papear), mas no sábado pedi arrego… Deixei de ir ao Mercado Público, que é um lugar que eu AMO, pra descansar e aguentar o pega de ir pro jogo do Grêmio à noite.

Sim, Pedrão já conhece a Arena do Grêmio. Estádio “padrão” FIFA e (claro) com cara de estádio europeu, foi um jogo tranquilinho Grêmio x Ponte Preta, pouco mais de 25.000 pessoas e uma Dinda gaúcha em êxtase, pois apesar de fanática ela nunca tinha visto um jogo do seu time de coração. Foi uma emoção sem igual poder proporcionar essa experiência a ela, ela chorou, gritou, xingou o juiz e no final voltamos lindos, belos e contentes pro Hotel.

Caso alguém esteja procurando um “par” bonito, vá a um jogo no RS. As meninas LINDAS, montadas, arrumadas e os meninos tão lindos quanto, eu e o marido ainda brincamos que deveríamos ter conhecido os lados de lá ainda solteiros *hihihihhi*

Domingo, fomos a casa da “vó” (gente, meu filho tem vós, tias e Dindas espalhadas, não reparem *kkkkkkkk*) gaúcha e comemos um típico churrasco deles, que é realmente diferente do daqui e tão bom quanto. Tomei chimarrão, comi carne, coração, linguiça e docinhos.

No aeroporto foi aquela choradeira tradicional, sempre volto arrasada desses encontros, não me conformo de morar longe =( Minha mãe que estranhou, pq não sou uma pessoa super chorona e emotiva, mas voltar do RS e ter que dar tchau pras duas Dindas e pra minha mãe gaúcha nunca é fácil.

No geral uma viagem deliciosa, recheada de presentes pro Pedro e muitas conversas na madruga, coração já apertadinho de saudades!

Quanto a nova integrante da casa, nós ganhamos ela de uma amiga que cria a raça.

O marido sempre foi alucinado por cachorros, ele AMA, brinca, rola, passeia e super sentia falta, mas eu ainda não achava que era hora. No início de agosto fomos a SP na casa de uma cumadi que tem cachorro e ela ficou com a gente na cama, brincou, fez festa e comecei a sentir falta de um serzinho de 4 patas por aqui.

Essa amiga sempre disse que quando a gente quisesse teria um filhotinho pra pegarmos, na quinta fomos busca-la. Ela é preta e branca, tem 8 meses e é mansa de tudo, muito amorosa, carinhosa e já está quase adaptada a nossa casa e rotina. Faz um xixi ou outro fora do lugar, mas passa o dia brincando com o ossinho e deitada na caminha que fizemos. Podemos sair sem crise que ela não fica latindo e nem destrói nada (ainda e espero que continue assim).

Pra finalizar uma fotinho dela brincando com a bolinha

Adele