Sobre o parto – Parte I.

Olá, meninas!!!

Duas vezes essa semana, to evoluindo! *kkkkkkkkkk*

Na verdade estava ansiosa pra contar pra vocês algumas resoluções que eu e o marido tomamos nas últimas semanas, quis esperar a consulta pra contar tudo com muitos detalhes.

Pelo jeito terei que dividir em dois posts, percebi que nunca falei muito sobre parto aqui.

Vamos começar do começo: Desde antes de engravidar eu já lia muito sobre gestação, por conta de uma amiga que teve gêmeos de parto normal e uma outra que resolveu ter um blog (sim, conheço a mãe do Bernardo desde 2 anos e meio de idade), foi por causa delas que eu mudei radicalmente de opinião quanto ao parto.

Inicialmente eu queria cesárea de qq forma, pois sempre sinto muita dor em tudo (tipo, tirar sobrancelha, sabe?) e minha mãe sempre disse que o PN era o melhor (ela teve quase 3, o último estava sentado a 27 anos atrás e a única forma que o médico dela conhecia pra virar, ela não quis e ainda fez uma ligadura de trompas, ela é tranquila com esse último parto pq teve TP quase completo.), que era dor sem vergonha, que depois que o bebê nascia a dor sumia e que a recuperação de cesa era beeeeem tensa, mas o meu pânico se sentir dor ainda falava mais alto (pq a gente nunca ouve a mãe mesmo???)

Aí as duas moças citadas acima tiveram seus bebês em lindos partos normais com poucas intervenções, comecei a seguir o Blog da Paty e a conversar muito com a mãe dos gêmeos sobre esse assunto e fui mudando de ideia, fui pesquisando, lendo, pensando e nesse tempo entendi que o melhor pro meu filho que viria seria sim o PN, de preferência humanizado. Logo já comentei com o marido e ele super apoiou, pois fez uma cirurgia de retirada de hérnia e, apesar de ser uma cirurgia menor e menos invasiva que a cesárea, disse que se dependesse dele eu nunca teria uma cesárea, pois a recuperação era mega restritiva (muito amor esse marido… <3)

Então, eu estava feliz e contente procurando um GO humanizado aqui pela baixada e que atendesse pelo plano, pq a $ tá meio curta e a gente já sabia que teria que pagar pelo parto (que não é barato), nessas buscas eu comecei a ler sobre as intervenções que os hospitais fazem no bebê, o colírio desnecessário, o bebê ser afastado da mãe, o risco de darem LA no berçário, além do receio de não deixarem meu marido acompanhar o parto… Nessa hora os hospitais não são assim, super confiáveis… Infelizmente!

No facebook sigo várias páginas sobre maternidade e na página “MenasMain” comentaram sobre um grupo ativista do parto humanizado chamado “Cesárea? Não Obrigada!“, me interessei e entrei lá pra olhar. Descobri um grupo nacional de apoio a gestante que deseja um parto humanizado, realmente muito legal.

Lá, eu vi o vídeo e o relato de parto do Blog Potencial Gestante e me apaixonei pelo parto domiciliar dela, eu sempre tive receio de assistir vídeos de parto natural, o dela foi o primeiro e realmente me surpreendi por ter gostado.

Comecei a pensar na ideia, mas os valores e equipes aqui na baixada ainda me eram desconhecidas, achava que se um parto estava entre R$ 2.500,00 e R$ 7.000,00 imagina um parto em casa, com toda a estrutura? Só a Gisele Bündchen pra conseguir =D

Então, lá nesse grupo eis que surge uma moça que teve uma cesárea desnecessária e o bebê dela teve que ficar por dias na UTI, pra ela foi muito traumatizante e grávida novamente ela decidiu pelo PD, quando disse que era de Santos ela conversou comigo, disse quanto estava pagando pelo PD e me deu os contatos.  Pensei: Agora é só conversar com o marido e ver o que acontece, já fui meio preparada pra brigar argumentar com ele.

Cheguei comentando da moça do grupo, dos valores que ela me falou , que ela me passou o contato da obstetriz e que eu estava pensando em PD por que não estava feliz com os procedimentos em relação aos bebês, ele (emponderado que é) ouviu e falou:

– Marca com ela, a gente vê como funciona, tira as dúvidas, conversa sobre espaço (ap com 70m2) e valores. Se a gente achar que é seguro, não vejo por que não fazer em casa.

Pensa na louca pessoa mais feliz do mundo… Logo marquei com a Obstetriz e com a Enfermeira Obstetra que atende com ela para nos conhecermos e tirarmos as dúvidas.

O encontro foi dia 10/07, mas vou deixar pro próximo post, esse já está muito gigantesco.

Se você chegou até aqui, tem minha eterna admiração *hauahuahauahuahua*

Muitos Beijinhos e logo volto com a continuação.

Bom fim de semana!

2/30 – Descreva 3 medos reais que você tenha e explique como se tornaram medos.

Olá, pessoas…

Depois do relato da viagem ontem, voltamos com a programação normal do Blog.

Esse mês eu e o marido namoramos muito, mas pelo app do celular o período fértil seria na sema após carnaval, ou seja, enquanto eu estava viajando e com visita em casa, sou seja, novas tentativas somente em Março. 

Vamos ao Desafio?

Listar 3 medos reais e explicar, vamos lá:

1 – Morro de medo de filmes de terror – Não sei como começou, mas é um medo real (pode ser bobo, mas é real). Se eu vejo filmes desse tipo tenho pesadelos, fico noites sem dormir.

2 – Ficar presa em banheiros – Também não sei de onde veio isso, mas sempre que vou a qualquer banheiro que não seja na minha casa eu levo o celular e dificilmente uso banheiro de cinema. Quando a sala é dentro do shopping saio e uso o do shopping, dificilmente o do cinema.

3 – Ser mãe – Eu sempre quis estar grávida e ter filho(s), mas eu realmente tenho medo de me tornar mãe, de educar, de aprender a falar não, a impor limites… Acho que esse será um dos maiores desafios da minha vida.

Além desses, claro que tenho outros medos, mas eles são os comuns da maioria das pessoas.

Espero que curtam e volto logo com o próximo.

Beijocas