O primeiro passeio de carrinho, será que ele ganha do sling?

Olá, pessoas….

Faz um tempão que não apareço, né? Andei meio sem inspiração e sem tempo, mas hoje passei o dia todo pensando nesse comparativo.

Após 11 meses e 16 dias eu passei quase um dia inteiro sem colocar Pedro no sling (coloquei pra ele dormir, mas é assunto pra outro dia), fui passear com ele no carrinho.

Ele está com uns 8.400kg e minhas costas, pernas e joelhos estão pedindo arrego de andar muito tempo com ele no sling, ainda não consigo coloca-lo nas costas e me vi “obrigada” a dar uma chance ao carrinho.

Aproveitei que era dia de semana e a cidade ainda não estava um caos pra ir até o Gonzaga (bairro comercial) de carrinho, fui, andei no shopping, nas ruas estreitas, na praia, fomos a padaria e não gostei 😛

No sling o bebê fica pertinho da mãe, dá pra ver todas as reações, ouvir os barulinhos e cantorias do bebê, enquanto no carrinho não rola muito contato. Eu ouvia ele cantando (Pedro vai pro The Voice 2030), mas não conseguia ver a carinha dele e nem interagir, achei isso muito estranho.

Meu carrinho é reversível (a alça vira pro bb ficar de frente), mas somente as rodas da frente que giram inteiras, ou seja, praticamente impossível de andar na rua, fazer curvas e afins com o carrinho “ao contrário”, além de reduzir o campo de visão do bebê.

A vantagem é que eu não tô com dor nas costas e consegui colocar várias sacolas + a mochila no “bagageiro” e andei livre, leve e solta pela rua *hauahauahuahauahua*

Apesar de eu não ter curtido muito o carrinho, tentarei inseri-lo mais na nossa rotina, pq mais dia menos dia ele será indispensável.

A próxima tentativa será de colocar ele nas costas, vou aproveitar o marido de folga na semana do natal 😉

Marcha das vadias
Na Marcha das Vadias de Santos (23/11/2014)
IMG_20141218_150319
Chegando do passeio de hoje (18/12/2014)
Anúncios